sábado, 15 de outubro de 2016

A tradução da Bíblia (grega) de Frederico Lourenço


Mário Sousa - jornal Público

1. Saiu do prelo o primeiro volume (Evangelhos) da tradução da Bíblia feita por Frederico Lourenço. Confesso que o recebi com entusiasmo, mas também desconfiança perante a ambígua publicidade precursora: ao contrário do que insinua, não é a primeira vez que a Bíblia é traduzida das línguas originais para português. A novidade da obra está em traduzir a versão grega do Antigo Testamento (chamada “LXX”), elaborada a partir do texto hebraico, no séc. III a.C. em Alexandria, destinada aos judeus da diáspora, que já só falavam e compreendiam grego — ou seja, é uma tradução para português da, por sua vez, tradução do hebraico para o grego.
Trad. Frederico Lourenço2. O autor apresenta o seu trabalho como uma tradução que «privilegia, sem a interferência de pressupostos religiosos, a materialidade histórico-linguística do texto». De facto, nota-se uma acentuada e muito positiva preocupação linguística, mas que desencarna as palavras da sua alma semântica e as desaloja do seu contexto e finalidade. Parece esquecer que todos os livros bíblicos nasceram num contexto crente e têm uma finalidade religiosa e que, embora os termos sejam gregos, os conceitos são veterotestamentários, hebraicos e semitas. Além disso, começa por afirmar que «as notas não pretendem interpretar o texto na sua extraordinária riqueza teológica (nem eu teria competência para tal)», mas acaba por fazer considerações teológicas e recorrer frequentemente ao trabalho de biblistas para fundamentar as suas opiniões. Em que ficamos?
3. Lourenço faz pairar ao longo da introdução (e das entrevistas que deu) a suspeição sobre todas as outras traduções portuguesas; apenas a sua levará o leitor a encontrar-se com a verdade «histórico-linguística do texto». Qual verdade? A de Lourenço? A Bíblia não tem uma tradução, mas traduções. Todas elas com qualidades e fragilidades, que se enriquecem na medida em que não são mónadas mas textos dialogantes, que iluminam o significado sempre inesgotável de determinada passagem ou livro bíblico.
4. Uma outra característica reveste esta obra e é, concomitantemente, a sua riqueza e fraqueza: resulta do trabalho de um homem só. Riqueza, porque lhe dá harmonização de critérios; fraqueza, porque brota de um texto não dialogado. Há quatro anos que trabalho na tradução da Bíblia para a Conferência Episcopal, agora na moderação da equipa do Novo Testamento. Na revisão das traduções solicitadas a diferentes biblistas, acontece-nos discorrer demoradamente sobre opções de tradução e, não havendo consenso, preferimos deixá-las em suspenso e consultar outros exegetas. Trata-se de uma tradução dialogada, fruto de reflexão sobre o sentido linguístico, mas também semântico e simbólico de palavras e expressões, enriquecida pelos diferentes ângulos e contributos. Na de Lourenço encontramos apenas a sua perspetiva e a evocação dos biblistas surge somente para fundamentar os seus pressupostos.
Em conclusão: Lourenço aporta-nos um contributo muito positivo, na medida em que nos proporciona não «a» tradução, mas «mais uma» tradução de Bíblia, com importantes anotações linguísticas que nos ajudam, a par de outros bons e variados estudos, a tirar do tesouro da Sagrada Escritura «coisas velhas e coisas novas» (Mt 13,52).
Padre e professor do Instituto Superior de Teologia de Évora

Sem comentários:

Enviar um comentário